domingo, 30 de setembro de 2012

incorpóreo

"I'm beginning to think I imagined you all along"
Arctic Monkeys
Nunca soube decifrar o enigma que te cobre, mas preferi deixar assim. Detesto admitir, mas me cativaste de maneira que cheguei a me apegar. Jogo sujo, uma vez que estou submissa às tuas regras e não o contrário. A cada jogada injusta, observo teu sorriso que esconde a covardia e me quebra, quebra e quebra. Corrói, destrói, serpenteia e esbraveja. Tudo por conta dessa sensação de incapacidade e descontrole da situação que preenche, já que no fim tu não passa de uma incógnita para quem me entreguei cegamente. Confiei desconfiada do erro que eu talvez estivesse cometendo. Hoje sei.
Não nego que se diferenciou perante aos outros; a questão é que não há como comparar algo ou alguém inexistente com qualquer outra coisa. Antes sombra, vulto, mera silhueta - agora é só um código intocável e de impossível resolução. Queria te trazer e desconfigurar, mas não sei segurar fumaça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário